Mônica Simionato fala sobre a beleza da liderança feminina para servidores da PGE e Procuradores do Estado

      

A tarde do Dia Internacional da Mulher foi de muitas lembranças da infância, de resgate da criança interior e de reflexões sobre “A beleza interior da liderança feminina”, tema do mini workshop realizado pela executive coach e antropóloga, Mônica Simionato, na sede da PGE. O evento comemorativo promovido pela Associação dos Procuradores do Estado da Bahia (APEB) e Procuradoria Geral do Estado (PGE) contou com a participação de servidores, Procuradoras e Procuradores do Estado.

Para o Procurador Geral do Estado, Paulo Moreno Carvalho, “a melhor homenagem que podemos fazer é olhar para as mulheres com absoluta delicadeza e ter a compreensão das suas potencialidades, da capacidade de trabalho, de liderança, enfim, entender e reconhecer estas qualidades. A Procuradoria é uma casa feminina, não só pela quantidade de mulheres, mas por ser uma casa acolhedora, compreensiva e muito emotiva. Isso é um patrimônio nosso e que é fruto das personalidades femininas que temos aqui”, comentou.

Moreno falou ainda sobre a importância de não reproduzir no dia a dia, nas relações pessoais, familiares e profissionais, o que, intelectualmente e socialmente, é combatido. “Acredito que a superação das dificuldades de gênero e preconceitos tem de se dar no dia a dia, nas nossas relações, que devem ser marcadas pelo respeito e entendimento das diferenças no tratamento entre homens e mulheres. Uma instituição como a nossa tem um papel muito importante de transformação da atual condição feminina”, refletiu.

Representando o presidente da APEB, Roberto Lima Figueiredo, a Procuradora e vice-presidente da associação, Cristiane Guimarães, falou sobre a condição feminina na sociedade atual e diante das políticas públicas. “Algumas questões referentes às relações de gênero são recorrentes no discurso e no pleito de reivindicações dos movimentos sociais feministas. Harmonizar as políticas de crescimento econômico, de equidade social e igualdade de gênero constitui um objetivo fundamental”, declarou.

O momento de maior reflexão e de euforia foi durante a exposição de Mônica, que levou a plateia por questionamentos do tipo: existe diferença entre a liderança feminina e masculina? Como expandir a liderança e se tornar um bom líder? Na análise da profissional, a beleza da liderança não está no gênero, no homem ou na mulher, está em conseguir utilizar uma situação que envolva as pessoas em uma causa. “Um líder forte e amoroso não é indiferente aos fatos e apresenta aos seus colaboradores um sonho alcançável. Um bom líder é aquele que consegue inspirar e extrair do seu colaborador aquilo que ele tem de melhor”, concluiu.

A Procuradora do Estado, Mariana Miranda, disse que a palestra foi, realmente, um presente para todos e abrilhantou o Dia Internacional da Mulher. Para a Procuradora do Estado aposentada, Yvonne Meira, “o mini workshop nos ajudou a refletir sobre quem realmente somos, a voltar no tempo de criança e a despertar em nos o desejo de buscar o que nos faz felizes e de como podemos ser úteis para a sociedade que fazemos parte”.

A plateia também contou com a presença do público masculino, curioso em conhecer a beleza da liderança feminina. Para um dos presentes, o diretor geral da PGE, Cícero Rocha Filho, o tema foi muito oportuno para o Dia da Mulher e, parafraseando Rosa de Luxemburgo, revolucionária de origem alemã, fundadora do Partido Social-Democrata da Polônia e Lituânia, ele disse que o mini workshop reforçou o desejo de uma sociedade igual, humanamente diferente e totalmente livre.